Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

A Terapia Cognitivo-Comportamental no Tratamento da Cleptomania

setembro 30th, 2019 · Sem comentários

Escrito por Mayara de Paula Lajara

CRP 04/38669

Psicóloga

Especialista em Avaliação Psicológica/Mestra em Psicologia da Saúde


A cleptomania é comumente conhecida como “mania de roubar” objetos desnecessários ou de pequeno valor. É uma doença psiquiátrica, considerada um transtorno do controle dos impulsos. O indivíduo esforça para não ter esse comportamento, mas não consegue. Sente uma tensão crescente enquanto não realiza o desejo de se apropriar de um objeto. É como uma ideia fixa, uma espécie de obsessão. Só passa a sentir alívio e satisfação no momento do ato.

Após a ação sente vergonha e culpa. A pessoa não consegue entender e explicar o porquê dessa atitude.

A cleptomania tem início na adolescência ou na idade adulta, raramente na infância. Os dados que temos é de mulheres por volta dos 35 anos e de homens por volta dos 50 anos. 

Os indivíduos que possuem essa doença, frequentemente apresentam outros tipos de distúrbios mentais, tais como distúrbio bipolar, anorexia nervosa, bulimia nervosa ou distúrbios de ansiedade. 

A Terapia Cognitivo-Compotarmental tem eficácia no tratamento de cleptomaníacos, porque   desenvolve métodos que ajudam a pessoa a ter autocontrole e evitar o roubo, relembrando frases que remetem a culpa sentida após o furto e o perigo que é roubar. A realização de um programa de tratamento para a cleptomania possibilita a melhora do comportamento de furto, bem como nos traços depressivos e ansiosos. O trabalho realizado na TCC é buscar o desenvolvimento do autocontrole da pessoa, introduzindo diálogo aberto com o paciente e jamais culpá-lo pelo seu ato. 

Tags: Opinião · Saúde

0 Respostas Até Agora ↓

  • Não existe comentário ainda. Deixe o seu comentário preenchendo o formulário abaixo

Deixe um Comentário