Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

OPINIÃO | O que é música clássica??

maio 13th, 2021 · 4 Comentários

Foto: Gabriel Faria

Por Alexandre Braga (*)

Muita gente me pergunta: o que é a música clássica?

Eu entendo que cabem algumas explicações sobre definir o que seja a música clássica. Primeiramente acredito que clássica são músicas de reconhecida grandeza que superam os limites cronológicos do tempo e continuam sendo executadas.

Assim, podemos entender que a Quinta Sinfonia de Beethoven (de 1808), Carinhoso de Pixinguinha (de 1917) e Hey Jude dos Beatles (de 1968) são verdadeiros clássicos. Músicas de qualidade, cada uma composta de acordo com o contexto social vivido por seus autores, e que continuam em moda, continuam sendo executadas.

O homem moderno tem a tendência de classificar, criar rótulos e estilos (e mesmo dentro dos estilos criar subdivisões): música clássica, caipira, samba raiz, pop rock etc. O que eu penso é que existe música boa e música ruim; e mesmo esse conceito é relativo uma vez que a música, enquanto manifestação artística da humanidade, tem como um dos objetivos a nobre missão de dialogar com nossas emoções. E cada indivíduo tem sua própria emoção.

Mas, inserido nesse pensamento do homem moderno, eu diria que clássica é aquela música praticada pela civilização ocidental, principalmente a europeia, que se iniciou com o canto gregoriano por volta do século VII e se mantém até hoje.

Na contemporaneidade os limites de “estilos” não são muito bem definidos, permitindo assim uma saudável coexistência dessa chamada música clássica com a folclórica e a popular. É dentro dessa história toda que encontramos nomes como Bach, Vivaldi, Mozart, Beethoven, Tchaikovsky, Verdi, Villa-Lobos e outros gigantes.

 Algumas vezes é chamada de Erudita ou Acadêmica, embora eu acredite que esses termos contribuem para afastar o público. Não acho que o público deva se afastar dessa música somente porque às vezes ela seja rotulada de inacessível, elitista ou intelectual por demais. Essa música foi composta por humanos e para humanos.

O que eu ressalto é que, à medida que mais a conhecemos, mais nos encantamos. Não só pelo prazer auditivo que ela nos proporciona, mas também porque percebemos que a história dessa música se confunde com muitas histórias da humanidade, e com conceitos que ainda hoje são alicerces da civilização ocidental.

O que eu penso é que existe música boa e música ruim; e mesmo esse conceito é relativo

É fascinante entendermos que Bach, por exemplo, compunha para funções específicas (como, por exemplo, uma cantata para o culto dominical), dentro do pensamento, ambiente sonoro e recursos da época. Um mundo com instrumentos diferentes dos de hoje (Bach não conheceu o piano no formato como nós o conhecemos) sem carros, luz elétrica etc… No ato de sua composição, sua música estava inserida nesse universo, contextualizada nessa época… Porém a obra se torna clássica, ou seja, se torna atemporal e imortal.

Músicas compostas por ele há mais de 300 anos continuam sendo apresentadas em várias esferas artísticas e encantando a humanidade. Isso pode ser entendido como música clássica.

(*) Músico varginhense, flautista da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (OFMG).

Tags: Colaboradores · Lazer e Cultura · Opinião

4 Respostas Até Agora ↓

  • 1 Álvaro Reis // maio 14, 2021 at 8:38 AM

    Parabéns !!
    Isto é um artigo !!!
    Digno de aplauso ! Esta bem contextualizado, é explicativo e bem elaborado.

  • 2 Dinho Batistão // maio 14, 2021 at 8:29 AM

    Feliz daquele que tem uma vasta referência musical. Quem não tem reduz o universo musical a um grão de areia, não é mesmo Alexandre. Te admiro muito. Um grande abraço e Parabens.

  • 3 Os inseparáveis: Bala o Ninja & Crazy Dog // maio 13, 2021 at 5:27 PM

    Só existe um tipo de música clássica: metal!!

  • 4 Vanilda Marques Souza // maio 13, 2021 at 4:42 PM

    Parabéns, Alexandre, pelo artigo elucidativo é convidativo. Conseguiu desmistificar a música clássica, retirando-lhe a aura elitista.

Deixe um Comentário