Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

  • Sebrae Empretec Anuncio 970×140
  • Alpha-Blog-Madeira-970×140
  • banner-topo-fadiva-set-140-2021
  • covalub-topo-maio-2021
  • unis-vestibular-maio-2021-970×140
  • parlamento mulher
  • banner vai dar certo

OPINIÃO | O Circo

abril 19th, 2021 · 2 Comentários

Luiz Fernando Alfredo

Circo vem do latim “circus” que significa círculo, e são espaços utilizados para entretenimento de pessoas através de espetáculos, como malabarismo, contorcionismo, equilibrismo, ilusionismo, monociclos, animais adestrados, palhaços, enfim diferentes especialidades para impressionar e provocarem emoções e risos.

Os circos datam da idade antiga e eram estruturas fixas numa determinada comunidade ou itinerante, se apresentando numa região ou num país inteiro. O circo consistia de uma arquibancada, onde ficava a plateia, e no centro um espaço cercado, plano´, com um tablado, onde as diversas atrações eram desenvolvidas.

“O mundo inteiro é um palco e a vida é uma peça e enumera as sete passagens da vida do homem: infante, escolar, amante, soldado, juiz, pantalão e a velhice de frente para morte eminente”, parte do monólogo de William Shakespeare.

Esta metáfora do escritor é perfeita, pois quem poderá dizer que não somos um show itinerante representando até o fim? Nem sempre podemos ser em público o que somos na intimidade e muito menos falar tudo que pensamos, especialmente neste cenário que vivemos hoje.

Enquanto o conceito do circo lembra suas atrações satisfatórias originais, este autor realça metaforicamente a trajetória das pessoas neste mundo, onde o engenhado evoluiu muito e figurativamente, os construtores nem tanto, numa analogia ao famoso escritor da peça.

Será que poderemos dizer que o palhaço gargalhando, o mágico iludindo e o acrobata arriscando são artes circenses como metáfora da vida em um país?

Vamos tentar com figuras de linguagem, não adjetivar. Mas não utilizar figura de retórica – difícil se teremos que mencionar substantivos que merecem uma infinidade de adjetivos. Muito cuidado, é melhor o eufemismo.

Bem queremos falar do Brasil atual; que é um verdadeiro circo, onde os picadeiros estão reunidos no STF, Câmara dos deputados, Senado Federal e Executivo, e os atores são seus membros cujas ações não se traduzem em atrações pertinentes aos espetáculos originais dos palcos e sim em condutas pérfidas, com a única finalidade eleitoreira de prejudicar uma pessoa legitimamente eleita, sem pensar que estão destruindo mais de duzentos milhões de pessoas e negócios cujas recuperações poderão demorar muito.

Que ânsia sintomática das benesses do poder!

Foram políticos os feitos jurídicos cheio de retóricas, dos Ministros Fachin, Carmem Lúcia, Gilmar Mendes, (citando a localidade que se tornou tardiamente em não localidade, para prescreverem os processos do ex-ladrão Lula), o ódio da esquerda, a perseguição da grande imprensa mentirosa juntamente com seus jornalistas desmamados abruptamente; a maioria do Congresso Nacional com “culpa no cartório” e descaradamente colocando cachorro para vigiar linguiça, gato para vigiar rato, rato para vigiar queijo – com a palavra Renan Calheiros, Jader barbalho e Randolfe Rodrigues.

Estamos, por conta destes indivíduos, num fogo cruzado, cujos resultados que podem advir, não beneficiarão os brasileiros e muito menos o Brasil.
Hoje discutimos, ficamos irados, fazemos piadas, pensamos em incendiar o circo dos horrores, mas queira Deus que não tenhamos que chorar mais perdas de toda sorte se não pararmos já e, pensarmos que se alguns estão se sentindo esvaziados de poder e dinheiro por conta deste governo, a maioria não poderá sucumbir aos perigos de uma Venezuela ´- valerá o voto ou não? De que têm medo a esquerda e saudosos beneficiários espúrios da república?

Que bando de covardes! Querem democracia, justiça, direitos esfolando o leão do circo para enfraquece-lo nas urnas, e repetir as histórias do Coliseu no passado.

Será que Osório Duque Estrada estaria certo quanto a estrofe do nosso hino: “Veras que um filho teu não foge à luta” – ela pode estar muito perto, lembrando as palavras do José Dirceu, o crápula da república que fez a citação perigosa, e como meliante profissional, não teve que explicar nada a ninguém: “É questão de tempo para gente tomar o poder”.

Frase forte em tempos de fome, pandemia, perseguição política, possíveis desvios de dinheiro em grande parte do país, comunidade internacional interferindo justo agora que o governo federal virou as costas para ditadores – no governo passado não se manifestavam e os militares aparentemente em crise existencial: “To be or not to be that is the question”.
Tempos estranhos, atitudes estranhas, muitos enrustidos saindo dos armários e mostrando quão vermelhos eram. Perigo iminente!

Este texto não reflete necessariamente a opinião do BlogdoMadeira.

Quer enviar seu artigo? WhatsApp (35) 9.8859-6919. Ou [email protected]

O artigo não reflete, necessariamente a opinião do blog.

Envie seu artigo com RG e foto para [email protected]

Tags: Colaboradores · Opinião

2 Respostas Até Agora ↓

  • 1 Nicole // abr 20, 2021 at 09:11

    “muitos enrustidos saindo dos armários e mostrando quão vermelhos eram. Perigo iminente!” É homofóbico também? cuidado que ser bolsominion ainda não é crime, mas homofobia é. E você não gosta de índio? Porque pelo que eu entenda, cor vermelha, assim como branca, negra, parda e amarela diz respeito a raça. E raça vermelha, se refere a indígenas. Forte abraço!

  • 2 Eder M Alves // abr 19, 2021 at 11:15

    O choro é livre bolsominion.

Deixe um Comentário