Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

Filmes com artistas varginhenses disputam Festival Internacional de Cinema no RJ

maio 22nd, 2020 · 3 Comentários

O mundo do cinema estava parado com olhos aflitos sobre a divulgação dos selecionados para O FIC-RIO Festival Internacional de Cinema, que acontecerá na Cinemateca do MAM- MUSEU DE ARTE MODERNA DO RJ. O anúncio marcado para as 20:00 através do face do festival do dia 20/05 era aguardado por mais de 300 diretores do mundo.

330 diretores inscreveram suas obras para o 1º FIC RIO – Festival Internacional de Curtas no Rio de Janeiro. Um sucesso absoluto. A organização anunciou nesta noite de quarta-feira 77 filmes selecionados para concorrer a 24 categorias que serão premiadas. Em meio a uma pandemia, uma notícia como essa alegra e enche de esperança por dias melhores na cultura mundial. O festival que aconteceria de 25 a 27 de junho, claro que será adiado, por conta do Corona vírus. Que prorrogou, mas não tirou a alegria do encontro cinematográfico. A organização garantiu o evento e anunciou que os indicados as 24 categorias serão divulgados no mês de junho.

Entre os 77 filmes selecionados foi possível ver a arte sul mineira em 6 filmes. Diretores, produtores diferentes, mas cada um desses 6 com um artista Varginhense. Um orgulho para cidade que tem se firmado cada vez mais como polo de Cinema. Legítima Defesa do diretor Vic Kings de SP foi filmado e produzido pela MAZ- (Associação de Artistas) em Varginha, Óleo Sobre Tela e Ela Acorda Cedo é da diretora Varginhense Elisa Aleva, O que passou está ainda por vir e Nasci pra ti antes de Haver o Mundo é do premiadíssimo diretor carioca  Lucas Marques e tb foram produzidos pela MAZ, contando com elenco da cidade. O filme Contraponto de Marcoz Gomez é uma produção do ES, mas traz no elenco Marina Azze atriz varginhense.

O anuncio de tantos filmes com artistas nossos, esquenta o coração aflito, de quem tem que estar parado em suas produções por conta da Pandemia. Fazemos arte sem nenhum apoio financeiro, nossos filmes são feitos na raça. Há tantos anos estamos investindo fortemente no cinema de Varginha. Trazendo prêmios e mais prêmios pra casa. Conquistando reconhecimento de grandes diretores e realizadores de fora. Cada vez mais realizamos produções. Fortalecemos o nome da cultura de nossa cidade em festivais internacionais. Nossos artistas são sagrados, milagreiros, até. Porque sem incentivo algum,  garantem a nossa presença entre os maiores. É hora da cidade começar a pensar numa Lei de Incentivo pro Audiovisual, sim. E apoiar mais os artistas locais. A Pandemia tem nos devastado, seria hora da prefeitura nos apoiar mais. Há tanto pra se fazer com tão pouco. Trazemos laurels que iluminam a nossa cidade por anos. Conquistamos uma quantidade de prêmios que poucos artistas do mundo conquistam. Entrar no FIC-RIO é mais uma graça que dividimos com os Varginhenses. Seria maravilhoso, que a cidade começasse a valorizar a nossa arte, como já tem feito tantas outras cidades maravilhosas do mundo a fora.” Diz Marina Azze, atriz e produtora de cinema.

“Já não é mais um sonho, é a nossa realidade. Entraremos pelas portas da Cinemateca do MAM, dessa vez como artistas, já não como público como tantas vezes com orgulho fomos. Nada se compara com a beleza desse momento para cultura de nossa cidade.” Descreve Zé Pedro Baroni ator.

” Estávamos todos com os olhos vidrados sobre a tela do Facebook aguardando os selecionados do FIC RIO. O festival desde da abertura das inscrições, tem marcado os realizadores, com uma comunicação criativa e muito eficiente. Todo cineasta sonha em ver suas obras pintarem as grandes telas da cidade maravilhosa. Que respira arte a tanto tempo. Imaginar nossas histórias se desenhando na tela da Cinemateca do MAM faz parte da realização profissional de qualquer cineasta do mundo. Ao ver nossos filmes anunciados de forma tão criativa, nos emocionou profundamente.” Relata Lucas Marques diretor de cinema.  

Atores Varginhenses que estão nesses filmes são: Marina Azze, Zé Pedro Baroni, Vitória Raciane, Alice Carvalho, Julia Moraes, Laís Rodrigues.

Tags: Cultura

3 Respostas Até Agora ↓

  • 1 38 // maio 25, 2020 at 3:22 PM

    Agora eu entendi o motivo da ex-global fazer campanha do “fica em casa”.

    Obrigado José Carlos Moreira.

  • 2 Glauber Vieira Ferreira // maio 23, 2020 at 9:13 PM

    Parabéns à Varginha, espero ver esses filmes todos. Sucesso na competição!

  • 3 José Carlos Moreira // maio 22, 2020 at 3:34 PM

    Boa Tarde
    Marina Azze
    A Lei Municipal de Incentivo à Cultura já beneficia e engloba todos os segmentos da CULTURA de Varginha, inclusive o audiovisual.
    Não há necessidade nenhuma de se criar uma “Lei” especialmente para o audiovisual.
    Imagina se isso acontecer ; a Prefeitura de Varginha e a Câmara Municipal de teriam que criar uma Lei para cada modalidade, ou seja, uma Lei para a dança, uma para o teatro, uma lei para o artesanato, uma lei para a capoeira.
    Prá quê criar uma nova Lei especialmente para o audiovisual?
    Para beneficiar quem? Você?????
    Onde estão as demandas suficientes para tal finalidade?
    Pelo que eu saiba são meia duzia de pessoas contando com você que faz cinema em Varginha.
    Por favor, me poupe.
    Uma Lei para beneficiar Marina Azze?????
    Quando você diz que a Prefeitura não incentiva os artistas, você está sendo injusta.
    Por muitos anos você foi beneficiada pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura.Inclusive neste último edital você recebeu aprovação do COMIC para realização do Officine 2020 abriu mão do seu certificado de aprovação.
    E agora você vem criticando o poder público por não te dar apoio?????
    Quanto ao seu carisma, sua simpatia e seu trabalho de professora não posso realmente deixar de elogiar.
    O mesmo não posso dizer de sua atuação na telona. Já assisti quatro filmes seus e todos parecem iguais.
    Você é uma atriz de um papel só. Não funciona no cinema igual você funciona no teatro. Os seus filmes não passam de um tremenda bobagem e um desperdício de tempo e energia. Porque como você mesma diz “São feitos na raça”. Não há um orçamento para custeo de suas produções.
    A cidade pede a você Marina Azze que não se atreva a ser diretora de cinema. Pelo amor de DEUS. Nos poupe desta investida.
    E para finalizar, te digo mais!!!
    Se você fosse tão boa, quanto os prêmios que conquistou, não estaria fazendo cinema no interior; estaria no elenco da Rede Globo.
    by by

Deixe um Comentário