Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

Somos seres inacabados

maio 10th, 2017 · Sem comentários

lfaHomenagem ao nosso amigo Clementino Vieira. Por Luiz Fernando Alfredo

Assistimos uma palestra do filósofo, Mário Sério Cortella, onde ele asseverou que não nascemos prontos e citando vários pensadores como Aristóteles que dizia – “O homem é um animal racional”; segundo Pascal – “O homem é um caniço pensante”; e Fernando Pessoa que definia – “O homem é um cadáver adiado”.

Disse também o palestrante, que o homem não pode passar pela vida sem deixar uma obra. Não importa o seu tamanho social e muito menos a fama, contudo pelo menos entre as pessoas que o cercaram durante sua trajetória, ter-se-ia que marcar a sua importância e deixar saudades.

Confraternização_Folha_e_Blog_sr. ClementinoRealmente, o homem é um ser racional, que perde a cabeça, quando tem que buscar a razão, é tão frágil que basta uma gota d’agua para matá-lo e pode desaparecer a qualquer momento, questão de tempo.
O homem acredita no que lhe convém, por isto, nossas opiniões são tão divergentes, conseguimos perder-nos numa cegueira total diante do óbvio.
Somos medíocres e deuses num piscar de olhos, as aparências nos enganam, comprometemos a identidade ameaçando até a lógica da ciência.
Somos seres inacabados por que deixamos para depois ou para os outros, o que podemos protagonizar ousando hoje mesmo, de repente, acordamos e vemos uma sombra bailando e uma luz tênue esvaindo-se no horizonte.
É tarde a lacuna ficará para sempre, vou morrer.
Isto é a regra indubitável, quase invisível para nós, mas felizmente, segundo a máxima, de que toda regra tem exceção, vamos a ela: Uma casta de homens que marcam indescritível e indelevelmente a vida que viveram
porque fizeram a diferença, não se tornaram famosos e nem milionários, mas, foram importantes por onde passaram.
O amigão de todos, Clementino Vieira, funcionário público durante sessenta e cinco anos, homem discreto, simples, inteligente, humilde, compromissado, generoso, entregava o trabalho com fartura, sem pensar quanto iria ganhar, não se omitia na distribuição de conhecimentos, um ser bem acabado.
Quando o visitamos pela última vez, notamos no seu olhar já nublado, regozijo e aceitação, mesmo na sua renitência por estar dependendo de cuidados. Ao despedirmos dele abraçando-o, ele disse obrigado Luiz Fernando, sentimos num lampejo consciente, que seria a nossa derradeira cena juntos, pensamos com orgulho de termos sido seu amigo, um homem como este não morre nunca, apenas exclama num simples suspiro de bravura, consciente que jamais se acovardou diante das barreiras da vida: Chegou a hora, estou indo com a leveza de uma pluma errante até achar o
meu lugar, reservado pelo Criador!
(*) Empresário, Secretário Municipal da Administração, Presidente da Fundação Hospitalar do Município de Varginha
Gripp_blog_Madeira

Tags: Cotidiano · Opinião

0 Respostas Até Agora ↓

  • Não existe comentário ainda. Deixe o seu comentário preenchendo o formulário abaixo

Deixe um Comentário