Blog do Madeira - Notícias de Varginha - MG

Notícias diárias de Varginha e Sul de Minas – [email protected]

Memórias de Varginha: marechal Lott na cidade

maio 31st, 2008 · 3 Comentários

O ano é 1960 e o marechal Henrique Batista Duffles Teixeira Lott, candidato à Presidência da República, visitava Varginha em campanha. Entre os visitantes, Tancredo Neves. São duas fotos, em sequência, na porta da residência do engenheiro Braz Paione, à rua Santa Cruz, 757, onde atualmente funciona um estacionamento, ao lado do laboratório Frota.

lott_01.jpg

À esquerda, apoiando o braço na mureta, Dª Rosa Del Fraro, mãe do médico Dr. José Del Fraro;
no centro, brincando com o menino, o canditado Mal. Teixeira Lott; à direita, de perfil, Tancredo Neves.

lott_02.jpg
À esquerda o engenheiro Braz Paione, então presidente do PSD local; no centro, de óculos, o jornalista
Mariano Campos; na frente o senador pelo PSD Auro de Moura Andrade e o governador Benedito Valadares.
No dia da foto a “nata” do PSD (Partido Social Democrata) estava presente em Varginha.

(Fotos e informações: professor Afonso Paione)

Marechal Lott: Em 1960, marechal na reserva,  Lott concorreu à eleição presidencial pela mesma coligação entre PTB e PSD que elegera JK. Recebeu um apoio frio de Juscelino – então mais interessado em voltar ao poder para um segundo mandato eletivo em 1965. Derrotado por Jânio Quadros, tentou ainda permanecer na vida pública. Em 1961 declarou-se contrário à tentativa de golpe planejada pelos ministros militares para impedir a posse de João Goulart após a renúncia de Jânio, o que lhe rendeu uma prisão domiciliar. Por fim, após o Golpe Militar de 1964, residindo em Teresópolis foi declarado inelegível por falta de domicílio regular pela Justiça Eleitoral ao se lançar em 1965 a candidato ao governo do então estado da Guanabara. O marechal Lott afastou-se definitivamente da vida pública por não concordar com a ditadura militar que estava se iniciando no Brasil. Passou o restante da vida em reclusão, tendo ainda que conviver com a prisão e tortura de um neto. Quando morreu, foram-lhe ainda negadas pela ditadura as honras militares a que tinha direito em seu funeral. Faleceu  em 19 de maio de 1984
Fonte: Diário de Teresópolis.

Tags: Geral

3 Respostas Até Agora ↓

  • 1 pe de valsa // set 23, 2011 at 8:11 PM

    Oi pé de valsa, saudades, não o vejo há uma semana, por que?……já sei.

  • 2 lacy mesquita // mar 22, 2010 at 2:27 PM

    meu pai, homem civil simples e honesto, me levou para conhecer quem ele considerava um grande homem, o marechal lott, na rua maris e barros.rj.
    tenho esta boa lembrança.
    a história é ainda muito ineficiente. não conta nada importante como esta época do getúlio vargas, juscelino e a absurda eleição desse jânio
    quadros.

    os jovens de 16 anos podem votar mas não conhecem nada de política, não sabem e não têm como saber, pois na escola o que aprendem de história é … encontrem uma palavra que descreva.
    e cá pra nós, quem tem uns 60 anos também não sabe direito de nada de história.
    os mais velhos já, acredito, sabem, mas estão presos a conveniências egoístas.
    seria muito útil a verdade da história entrar nas
    escolas. não acham?

  • 3 Antonio Adilson // jun 1, 2008 at 9:24 PM

    A disputa da presidência pelo Marechal Lott é a prova cabal que a política não foi feita para amadores. Apesar de ser um democrata e estar no partido certo (o PSD do presidente Juscelino) foi trucidado pelo louco e alcoólatra Janio Quadros. Morreu no ostracismo, porém é necessário que a história coloque seu nome no devido lugar, aonde estão os homens honestos, democratas e patriotas.

Deixe um Comentário